Secretaria da Saúde do Paraná promoveu nesta quarta-feira (16)  reunião online para alertar e orientar profissionais sobre um fungo emergente, a Candida auris, que representa uma grande ameaça à saúde pública.

Alerta neste sentido foi emitido pela Anvisa, que confirmou o primeiro caso de contaminação no Brasil. O documento foi publicado no dia 9 de dezembro informando que o primeiro caso foi confirmado em amostra de ponta de cateter de paciente internado em UTI Adulto, no estado da Bahia.

Em função deste caso, a Sesa realizou webinar de orientação dirigida a profissionais que atuam em laboratórios de microbiologia, serviços de controle de infecção hospitalar, comissões regionais e municipais de controle de infecção, centro de informações estratégicas de vigilância em saúde e equipes da vigilância estadual e municipais.

“Vivemos um cenário crítico na saúde devido a pandemia e por isso temos que redobrar nosso alerta a outros tipos de infecções típicas de ambientes hospitalares; uma infecção dupla de agentes novos como o coronavírus e a Candida auris pode trazer sérios danos à saúde da população”, disse o secretário da Saúde Beto Preto.

Fungo – Atualmente a Candida auris possui resistência a diferentes classes de antifúngicos. Estudos (Anvisa/2020) apontam que até 90% dos isolados de C.auris são resistentes aos medicamentos como Fluconazol, Anfotericina B ou Equinocandinas, medicamentos normalmente utilizados para o combate a fungos.

“A gravidade associada à disseminação deste fungo diz respeito ao fato de poder causar infecções invasivas principalmente em corrente sanguínea, com nenhuma opção terapêutica,  o que pode ser fatal,  em pacientes imunodeprimidos ou com comorbidades”, afirma a médica infectologista e presidente da Comissão Estadual de Controle de Infecção da Sesa, Viviane Dias.

Também, é importante alertar que este fungo pode permanecer viável por longos períodos no ambiente, pois apresenta alta resistência a diversos desinfetantes, entre os quais produtos à base de quaternário de amônio.

“Neste momento é crucial que os Laboratórios de Microbiologia saibam identificar as amostras de C. auris recebidas para análise. Os casos suspeitos devem ser imediatamente informados à Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do serviço “, orienta a coordenadora de Vigilância Sanitária, Luciane Otaviano de Lima.

A Nota técnica emitida pela Anvisa (no.02/2020) recomenda ainda que tanto as amostras confirmadas ou suspeitas e aquelas consideradas inconclusivas sejam encaminhadas ao Laboratório Central do Estado (LACEN) para a confirmação do diagnóstico.

“Estamos diante de mais um desafio para as equipes de Controle de Infecção Hospitalar dos Serviços de Saúde (CCIH); esses profissionais possuem um papel relevante na implantação imediata das medidas de prevenção e controle”, destacou a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes.

Notificação – As CCIHs também serão responsáveis pela notificação dos possíveis casos à Anvisa, que já disponibilizou formulário para as áreas técnicas.

Presenças – Participaram do encontro:  Flávio de Queiroz Telles Filho, médico e professor da Universidade Federal do Paraná, Ana Lúcia Schmidt, responsável pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar da Universidade Federal do Paraná, e Lavínia Arend, que atua na área de Monitoramento da Resistência Microbiana do LACEN.