Com cotação recorde e um boa produção, a safra de trigo deve movimentar neste ano quase R$ 325 milhões na região. A safra é estimada em pouco mais de 320 mil toneladas nos municípios dos Núcleos Regionais da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (Seab) de Ivaiporã e Apucarana, um aumento de 27,5% no volume de produção, mas de 84% no valor comercializado. 

Na região de Ivaiporã, o Departamento de Economia Rural (Deral) para uma safra total de grãos de 174 mil toneladas, que deve render para os produtores R$ 188,5 milhões, 62% a mais que a temporada passada quando os produtores colheram 134 mil toneladas e receberam R$ 116 milhões pelo produto. 

O volume de recursos envolvidos na colheita do trigo nesta temporada é recorde principalmente por conta da valorização do dólar e alta cotação do produto. Na manhã ontem, a saca de 60 quilos estava sendo cotada em R$ 67 na região. Em 2019 nesta mesma época, o produto era comercializado em torno de R$ 47.

Na safra do ano passado, além do preço mais baixo, a cultura também sofreu com as geadas no mês de julho e estiagem, um período de mais de 80 dias sem chuva, que resultou na quebra de 48,57% da produção esperada. 

Conforme o agrônomo do Deral de Ivaiporã, Sergio Carlos Empinotti, neste ano assim como na safra passada, a produtividade do trigo também foi prejudicada pela estiagem prolongada, e após as chuvas em agosto houve incidência de pragas e doenças. 

“Neste ano as perdas foram menores que 2019 e, apesar dos problemas climáticos nesta temporada, os produtores tiveram um rendimento razoável. A média de rendimento atual de 117 sacas por alqueire é considerada boa para o momento, já que o preço pago pelo trigo é recorde e está compensando a perda com a quebra”, assinala Empinotti. 

Ainda segundo Empinotti, os preços do trigo estão em movimento de alta desde o fim do ano passado. “Influenciado principalmente pelo dólar que se encontra elevado, por dificuldades na importação e a demanda interna que segue firme”, analisa Empinotti.

APUCARANA

O mercado também está em alta na região de Apucarana, Com a colheita praticamente finalizada, a cotação está 80% maior do que no ano passado. Segundo dados do Departamento de Economia Rural (Deral), a produção estimada na região é de 146,16 mil toneladas.

Adriano Nunomura, técnico do Deral informou que neste ano aconteceu uma diminuição de quase 5% na área de produção, mas o rendimento foi maior. “Essa diminuição aconteceu devido à falta de chuva durante o ciclo de desenvolvimento. Contudo, no ano passado houve geada e parte da safra foi comprometida e foram colhidas cerca de 117 mil toneladas.

A área plantada de trigo foi menor esse ano, mas a produção foi maior”, explica.Na região, segundo o Deral, o preço médio da saca de 60 quilos está em aproximadamente R$ 56, o que garante uma movimentação de R$ 136,4 milhões. No mesmo período de outubro do ano passado, estava custando R$31. “A alta do dólar e também as exportações para China valorizaram o produtor e animou quem plantou”, disse Adriano Nunomura.

Fonte: TN ON LINE