Depois de ser cobrado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), sobre uma correção de rumo à pandemia, Bolsonaro (sem partido) falou sobre a decisão do governo alemão de recuar dos planos de um isolamento total durante o feriado de Páscoa, afirmando que o recuo aconteceu porque os efeitos do confinamento seriam mais graves do que as consequências do vírus.

A Angela Merkel [primeira-ministra da Alemanha], ia ter um lockdown rigoroso lá e ela cancelou, pediu desculpas. Ela falou lá, segundo a imprensa, que os efeitos do fechar tudo são muito mais graves do que os efeitos do vírus, palavras delas, não é minha não”, comentou Bolsonaro, em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada.

Porém não foi isso que a chanceler alemã afirmou, segundo relato da rede de rádio e tv Deutsche Welle, a suspensão das medidas ocorreu em razão do pouco tempo para implementação. “A ideia foi um erro. Havia boas razões para optar por ela, mas ela não pode ser implementada suficientemente bem nesse curto período de tempo”, disse Merkel segundo a rede. “Esse erro é somente meu”, ressaltou. “Lamento profundamente e peço desculpas a todos os cidadãos”.

97FF2444 EF5D 412D BA8F 347C8A320772
Angela Merkel (World Economic Forum/Ciaran McCrickard)

Apesar do recuo de Merkel, a Alemanha conta com outras políticas de distanciamento social ainda em vigor. O país soma um número total de 2,7 milhões de pessoas infectadas e mais de 75 mil mortes, já o Brasil tem 12,2 milhões de infectados e passou da barreira de 300 mil óbitos.