Nesta quarta-feira (24), a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná confirmou 1.097 diagnósticos positivos do novo coronavírus. O número é maior do que a soma dos primeiros 41 dias de monitoramento. O Estado tem acumulado 16.769 casos desde o início da pandemia, com 510 óbitos pela doença.

Apesar do aumento de casos nas últimas semanas, o nível de isolamento no Paraná estava baixo. Nesta semana chegou a apenas 37% de pessoas que não se locomoveram, segundo informações da empresa In Loco, que utiliza os dados de localização de mais de 60 milhões de celulares em todo o País.

Esses fatores podem levar o governo a emitir novas restrições para a população, segundo o secretário da Saúde, Beto Preto. O secretário confirmou que novas medidas restritivas estão em análise no Estado. A afirmação foi feita durante entrevista ao jornal ‘Meio Dia Paraná’, da RPC.

Na semana passada, a Secretaria de Saúde já havia decretado novas restrições para a Região Metropolitana de Curitiba e outras regiões com muitos casos confirmados. Desde o fim de semana está proibido a venda e consumo de bebidas alcoólicas nas ruas e o funcionamento de comércios no domingo, entre outras determinações.

Boletins

Além dos mais de mil casos, o boletim da Saúde de ontem também confirmou mais 23 mortes pela doença no Estado, elevando para 510 o total de óbitos por Covid-19. Em 335 cidades paranaenses há ao menos um caso confirmado pela Covid-19. Em 123 municípios há óbitos pela doença.

Já o boletim da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba comunicou mais 475 casos confirmados de Covid-19, levando o total para 3.773. Ontem, também foram registrados mais quatro óbitos pela doença, elevando para 120 o número de mortes desde o início da pandemia, em março. Eram 303 pacientes internados e 101 em UTI.

País registra 1.185 mortes, com tendência de interiorização

De acordo com o Ministério da Saúde, entre a terça-feira e quarta-feira (24), o Brasil registrou 1.185 novos óbitos por Covid-19 e elevou o total de mortes para 53.830. Na detecção de novos casos da doença, foram 42.725 novos diagnósticos confirmados totalizando 1.188.631.

O boletim também mostra uma mudança na localização dos casos. A prevalência dos casos se inverteu. Até pouco mais de um mês atrás, havia mais casos nas capitais do que no interior. Há cerca de um mês, esta relação se equiparou e desde então as cidades do interior passaram a ser o principal local de registro, com 60% das pessoas infectadas identificadas.

O mesmo ocorreu com as mortes. Os casos no interior já emparelham com as capitais.

Fonte: Bem Paraná